A Festa de Casamento - Patricia Scanlan

Bom dia, Amores!!!!
Como já explicado, estou participando de um desafio, para diminuir os livros não lidos na minha estante, e também adiantar minha meta de leitura. E outro objetivo é me auto obrigar a fazer postagem no blog. (haha).  
Esse é o 4º e último livro do desafio que li, ele é um desafio extra, que tenha por objetivo ler algum livro envolvendo uma data especial do mês, e no mês de agosto temos como norte O dia dos Pais
Foi um pouco complicado achar um livro na minha estante, que envolvesse especificamente o Pai, mas es que surge o livro A Festa de Casamento e foi bem marcante a participação do pai nessa história.

Fonte: Skoob
Título: A festa de casamento
Autora: Patricia Scanlan
Editora: Essência
Ano: 2012
N° páginas: 395
Classificação: 4

Sinopse: Nada como um lindo casamento... Para começar a Terceira Guerra Mundial! Pois é isso que acontecerá se Connie Adams, a mãe da noiva, não conseguir apaziguar as coisas entre Debbie e o pai. O ex-marido de Connie insiste em levar sua nova esposa e sua insuportável filha adolescente no grande dia, mas Debbie prefere se casar em um boteco do que tê-los na sua festa.  Ainda por cima, a já estressada noiva precisa lidar com seu chefe abusivo e com a suspeita de que talvez seu noivo esteja tendo dúvidas sobre a escolha que fez. Fica a dúvida: poderá esta família viver feliz ou todos se encaminham para um divórcio tenebroso?

Resenha:

A história é dividida em dois momentos, nos primeiros capítulos temos a história do noivado e todo o preparativos para o casamento e o segundo momento é o casamento em si.
O livro conta a história de Debbie Adams, uma jovem de 25 anos, que vai se casar com Bryan Kinsella. Mas o que era para ser um dos dias mais feliz de sua vida, acaba torna-se uma sucessão de desastres.
Debbie anda estressa com Bryan que não a ajuda com a casa e nem a ouve quando ela fala de seu problema com o pai, além de parecer querer desistir do casamento. A mãe de Debbie, Connie Adams não gosta do futuro genro, pois o acha parecido com o ex-marido.Connie é uma mulher independente, mas que sofreu bastante com o divórcio, e se sente frustrada por não falar o que pensa, e ainda ter quer ser a pacificadora entre o ex-marido e a filha.
Debbie vive em pé de guerra com o pai, pois ele se separou da mãe, quando ela tinha 5 anos, e a mesma se sentiu culpada pela separação. 
Debbie faz de tudo para excluir o pai do casamento, mesmo que ele esteja ajudando financeiramente. Ela não aceita que ele a leve ao altar, pois acha isso ser o papel da mãe, que foi quem a criou sozinha.Existe um conflito muito grande entre pai e filha, que acaba interferido na vida de todos. Num momento da história Debbie acaba por dizer o que realmente sente ao pai, e isso o choca, o faz pensar que realmente ele foi imaturo e precipitado ao deixar a ex- esposa e a filha.
Debbie não suporta sua madrasta Aimeé Davenport, pois é esnobe e vive jogando na cara da enteada que está trabalhando para pagar o casamento da mesma, além de Debbie a culpar por roubar seu pai dela.
Debbie também não tem nenhuma relação com a meia-irmã Melissa, pois a culpa pelo pai delas, não ter dado a atenção a ela, e também por ver a cumplicidade dos dois. 
Ainda tem a chefe de Debbie, Judith Baxter, que parece viver para infernizar a vida de Debbie, por ela está se casando e viver feliz. E ainda por cima Judith, recursa o pedido de aumento de Debbie, que fica furiosa, mas acaba se calando, para não perder o emprego. 
No decorrer da narrativa, é mostrado os sentimentos de todos os personagens. A história é narrada em 3º pessoa, e isso acaba sendo interessante porque podemos ver os dois lado da história. Os personagens vão narrando os acontecimentos que os deixaram ansiosos, estressados e magoados, e que acabam interferindo na sua vida de adulto.
Outro ponto importante mostrado é que as pessoas acabam escondendo seus sentimentos pra não magoar os outros, mas acaba fazendo mal pra si mesmo. É doloroso, mas precisamos falar certas verdades.
Eu entendo o lado de Debbie, pois vivo uma situação parecida (meu caso, pior. haha), mas mesmo assim, não concordo com suas atitudes infantis. E o pai, Barry Adams é imaturo ainda hoje, não sabe lidar com a verdade e quer se o centro das atenções.
A história não é perfeita, mas é bem interessante. Mostra a relação de pai e filha, divórcio, pessoas workaholic e acima de tudo a convivência em família. Todos sabem que conviver em família não é fácil, ser do mesmo sangue, não quer dizer que somos parecidos e temos os mesmos ideais e objetivos. As vezes conviver com alguns familiares é frustrante, mas claro que existe momentos impar que só uma família vive, e é essa vivência do dia-a-dia que nos faz amar fazer parte de uma familia. 

Bom galera é isso. É uma história bem legal, então indico para vocês lerem. E descobri que vai ter continuação, não que precisasse, mas talvez seja algo divertido. E não esqueçam em setembro tem mais desafio. Irei fazer um post sobre os livros escolhidos para o mês de setembro.hahaha

Beijos,até a próxima!!

Comentários